Junho - 2009

Junho - 2009
“Aperfeiçoamento dos Santos, no Crescimento Espiritual e na Intimidade com Deus Vivendo a Verdadeira Mordomia.”

A Mordomia Cristã


Dentre vários textos bíblicos que servem para justificar a mordomia cristã, em qualquer tempo da história, ressaltamos o Salmo 24.1-2 e o Salmo 50.11.
Estes versos deixam bem claro que Deus é dono e Senhor de todas as coisas criadas, inclusive do ser humano, podendo exigir amor, fidelidade e devoção, que devem ser manifestações sinceras do nosso agradecido coração diante do nosso suserano.
No Novo Testamento a afirmação é a de que fomos comprados, 1 Pedro 1.17-20, com o precioso sangue de Jesus, que em sua morte rasgou o escrito da nossa dívida no pecado, Colossenses 2.14, podendo, por esse ato geneoso de amor, exgir de nos fidelidade e profundo senso de mordomia cristã.

I - Coceituação básica de mordomia:

O termo mordomia, do grego oikonomía, significa administração de um lar. No contexto da vida cristã mordomia é a administração dos deveres existenciais e espirituais, bem como dos bens pelos quais a pessoa é responsável.
No contexto bíblico, a pessoa que administra o lar é chamada de mordomo, oikonómos, ou de superintendente, èpítropos. Este conceito tem suas raízes na instituição da escravidão. O senhor nomeava um escravo para administrar seu lar e todo o seu patrimônio, inclusive delegando a ele a responsabilidade de ensinar e de disciplinar os membros da família, especialmente os outros escravos e as crianças. Um exemplo clássico desta situação é a posição de José na casa de Potifar, narrada em Gênesis 39.4-6.
A idéia comum de mordomia é encontrada em várias passagens do Novo Testamento, mais notadamente na parábola do administrador infiel, Lucas 16.1-8. Vale ressaltar que em Mateus 20.8 e em Lucas 12.42 vemos a confirmação do conceito de mordomia apresentado naquela parábola. A idéia de que o homem é mordomo de Deus no seu relacionamento com o mundo e sobre a sua própria vida é inerente a história da criação, Gênesis 1 a 3. É importante destacar o fato de que na narrativa da criação o homem é nomeado senhor de todas as coisas, menos de si próprio.
No Novo Testamento, o termo mordomia, quando não é usada em seu sentido mais comum para se referir a administração de bens, se refere à administração dos dons de Deus, especialmente à pregação do evangelho. Em 1 Pedro 4.10 o conceito de mordomia é ampliado, passando a incluir todos os cristãos e os dons espirituais que estes recebem de Deus para a consecução da vida e do ministério do cristão. Porém, vale ressaltar que a exigência feita aos mordomos de Deus, assim como aos mordomos dos homens, é a fidelidade. O cristão, principalmente, deve administrar aquilo que lhe foi confiado de acordo com as instruções recebidas da parte do seu Senhor, conforme alistadas na Bíblia Sagrada.
Um alerta cabível nesta conceituação é sobre a ênfase pós-moderna que a igreja tem dado à mordomia dos bens, a chamada Teologia da Prosperidade. Embora seja verdadeiramente bíblica, o perigo da Teologia da Prosperidade é que ela pode obscurecer o fato de que a mordomia básica do cristão é a do Evangelho Integral, que inclui toda a sua vida, principalmente a sua consciência cristã, a sua honestidade, a sua santidade e o seu testemunho, não somente o seu dinheiro.

II - Uma teologia financeira:

No estudo sobre mordomia, não podemos deixar de considerar a questão relacionada ao dinheiro, visto que a cristandade tem se desviado dos propósitos de Deus ou pela sonegação diabólica dos dízimos e ofertas ou pela busca desenfreada da prosperidade financeira.
Causa estranheza falar de teologia financeira, mas o fato de parecer estranho a união das palavras teologia e finanças é prova irrefutável de quão longe estamos de uma base bíblica sólida sobre o dinheiro e sobre a mordomia cristã.
A Bíblia está repleta de referências, de narrativas, de advertências e recomendações, de parábolas e de promessas sobre o assunto. Só que o "deus deste mundo", Satanás, cegou o nosso entendimento e o fez justamente por conhecer as conseqüências de uma teologia bíblica financeira adequada, as quais ele teme bastante.
Toda pobreza, seja do espírito, da alma ou do corpo, é resultado de desconhecimento da abundância que através da sua Palavra Deus nos promete. Quem não tem certeza de sua salvação ignora o que a Bíblia afirma a respeito da vida eterna, da qual já agora, aliás, pode usufruir.
Quem vive cheio de medo e de preocupações financeiras não entende as promessas bíblicas que Jesus fez sobre paz interior e sobre a herança que legou aos filhos de Deus. Aquele que vive preso a uma constante luta financeira é vítima de ignorância sobre as promessas bíblicas dirigidas a quem está em sintonia com as leis divinas referentes ao dinheiro.
O dinheiro foi inventado pelo homem como método racional de negociar. Cada governo estampa moedas ou imprime cédulas, lhes dando um valor estipulado, por meio das quais móveis e imóveis podem passar a pertencer a quem as possuir em quantidade suficiente para adquiri-los.
Até aí nada de errado. Só que o dinheiro não é neutro. Pelo poder que ele transfere ao seu possuidor e pelo mal decorrente que algumas das aquisições que ele permite inspira, a Bíblia o define como um ídolo, um senhor, um espírito. Enfim, o Texto Sagrado o define como um deus, Mateus 6.24.
Vale destacar os termos usados por Jesus para definir o relacionamento entre o homem e as riquezas: Servir, amar e devoção.
É necessário lembrar, ao lermos Mateus 6.24, que o assunto em consideração é dinheiro e não um personagem qualquer, a quem se deva servir, amar ou dedicar devoção. É assustador pensar e admitir que os dois senhores que requerem o nosso amor, a nossa lealdade e a nossa devoção são justamente estes: Deus e o dinheiro.
Eis a razão por que o dinheiro exerce tamanho poder sobre a vida do ser humano. Ele não é simplesmente um veículo de câmbio. É um deus que exige culto. É uma entidade passível de ser amada.
Jesus de modo muito claro ensina que as pessoas que amam o dinheiro aborrecem ao Senhor porque estes dois amores não combinam. São antagônicos e não podem existir juntos no mesmo coração. Assim como Jesus ensinou ser impossível beber do cálice do Senhor e do cálice dos demônios, ou sentar à Mesa do Senhor e à mesa dos demônios, da mesma forma é impossível servir a estes dois senhores: Deus e o dinheiro.
Quem ama verdadeiramente muda o seu senso de valor e se torna harmonioso com o objeto de seu amor. A medida do amor é a mesma do sacrifício. Portanto, o cristão que ama o dinheiro vive em permanente conflito. Diante do desafio de consagrar os dízimos, ele inventa mil razões "justas" para não dedicar a Deus o que lhe pertence, pois o seu amor ao dinheiro é mais forte e preponderante do que os ensinamentos da Palavra de Deus e do Evangelho.

Conclusão:

Sabemos que existe, como assevera o autor da nossa lição, muita resistência não apenas em relção aos dízimos e ofertas, mas em relação a mordomia como doutrina bíblica por parte de muitos cristãos.
São irmãs que precisam ser alcançados pela graça misericordiosa de Cristo, a fim de que aprendam na PalAvra de Deus como devem usar as suas vidas. Mordomia cristã está relacionada a utilização da mente, do corpo, do tempo e dos recursos materiais que o o Pai nos concede.
Não podemos inverter os valores, como o faz o teologismo denominado de Teologia da Prosperidade, que desvia o coração do cristão do foco principal, fazendo-o interessado nas bênçãos e na riqueza, ao invés de matê-lo intimamanete unido a Deus pela comunhão amorosa e sustentadora.
Precisamos incitar a igreja a desenvolver uma perspectiva bíblica e verdadeiramente cristã para a mordomia. Devemos ensinar aos nossos irmão que é o próprio Deus que nos sustenta, não os bens adquiridos ou os recursos materiais.
Somos sustentados por Deus e em gratideão ao Senhor por este amor provedor e sustentador nos consagramos a ele com inteireza, 2 Coríntios 8.3-5. Os nossos dízimos e ofertas devem ser apenas uma pequena expressão real e verdadeira de que reconhecemos que nossas vidas e nossos bens pertencem ao Senhor.

Pr. Valdir Oliveira Peixoto

“ Missões está no Coração de Deus”


Amados Irmãos músicos o ‘Talento’ que o Senhor deu a você é para ser usado nos campos. Você musicista que vê no seu ‘Talento’ um presente dado por Deus e que entende e que deve ser colocado ao serviço dEle, da obra. Chegou o momento de você refletir em todo o percurso de sua vida, as oportunidades que Deus tem lhes concedido e agora tomar uma decisão: ‘’Eu preciso fazer mais para Deus!’’ Da angústia própria de qualquer artista que quer ser adorador e brilhar não para sua glória, mas para honra e glória do Senhor.Deus quer mover os corações de músicos. Não para que vocês recebam aplausos de homens, mas para que todos vejam em cada um de vocês a luz de Cristo brilhar, pelo seu entusiasmo, sua dedicação e seu ’Talento’. Missões está no coração de Deus; e você foi escolhido para esta missão de Deus, semear o Evangelho através desta arte que abre portas: a música. Deus está falando ao seu coração meu Irmão musicista? Então vamos com preparo, competência
técnica, mas na total dependência do Espírito Santo, alcançar pessoas através do poder e da autoridade dAquele que nos salvou e ainda nos deu talento.
É a hora de levantar e se tornar um missionário músico. Ele está chamando.
Está na hora de transformarmos os ‘’Talentos’’ em dons. É tempo de executarmos as canções com as notas da própria vida. Que esse tempo não passe de você! Irmãos nos últimos tempos, muitos grupos musicais têm se despertado para fazer missões realizando viagens de apoio aos missionários, pois Deus tem chamado o seu povo para fazer algo diferente e transformador. É preciso despertarmos para o chamado de Deus, deixarmos nos influir com as coisas do céu. Observe e imite aqueles que vivem na pratica da verdade, em obediência a tudo que nos é peculiar.( Leia IITm 2: 20-22). Você é um missionário escolhido, contribua com orações e as ofertas - Vamos para o alvo!

-Moita bonita: Crescimento do Reino de Deus. Estejam sempre orando pelos obreiros e pela obra. _______________________________________________________ -Grupo Life: Ensaio aos Domingos as 15:00h. _______________________________________________________ -Grupo Eloim: Ensaio às Terça-firas as 20:00h. Uma nova benção do Senhor. _______________________________________________________ -Cesta do Amor: Vivendo o amor fraternal. Participe! _______________________________________________________ -Discipulado: Todas as Segunda-feiras às 20:00h. "CULTO - Celebração e Devoção" _______________________________________________________ -Núcleo de Estudos Bíblicos: Não perca tempo. Estude a Bíblia. Faça um estudo conosco. _______________________________________________________ -Escola Bíblica Dominical: Todos os Domingos as 08:00h. Não desperdice tempo. Venha pra EBD. _______________________________________________________ - União dos Adolescentes: Aos Sábados as 18:20h. _______________________________________________________ - União dos Jovens: Aos Domingos as 18:20h. _______________________________________________________ - Embaixadores do Rei: Às Segunda-feiras as 19:00h. _______________________________________________________ - Mensageiras do Rei: Às Terças-feiras as 19:30h. _______________________________________________________ - orbati.ning.com: A novidade da P.I.B.A.F. acesse e junte-se a nós! Acesse: orbati.ning.com _______________________________________________________ -pibaf.org: Chegou o nosso site pibaf.org, um site evangelizador, que vai propagar a Palavra de Deus através da Internet. Acesse: www.pibaf.org _______________________________________________________ - PIBAF TV: Quer assistir videos sádios e que falam do amor de Cristo na internet? Acesse o PIBAF TV: PIBAF TV. _______________________________________________________ - Reunião com os Introdutores dia 17/04. Compareça em nome de Jesus. _______________________________________________________ - 61ª Assembleia da Convenção Batista Sergipana Dia 17 de Abril na Igreja Batista em Orlando dantas. _______________________________________________________ - Ministério de Musica Dia de Lazer no Timbó dia 18/04! _______________________________________________________ - Intercâmbio UNA e Embaixada dia 21/04 - Lazer no Parque da Sementeira. _______________________________________________________ - Culto de Gratidão pelas Crianças Dia 25 de Abril. _______________________________________________________ - Conferências de Aniversário da Igreja Batista em Orlando dantas Dia 24 de Abril. Compareça em nome de Jesus Cristo! _______________________________________________________ - Núcleos de Oração: Quintas–Feira. Ás 20:00h. participe em seu Núcleo. _______________________________________________________ Culto de Intercessão: ‘Todas as Terças’ 8:00h Interceder é orar com intrepidez. - Venha! _______________________________________________________ Culto de Gratidão pelo Dia da EBD - Escola Bíblica Dominical Dia 26 de Abril. Compareça em nome de Jesus! _______________________________________________________

Núcleos de Oração nos Lares - Um benção de Deus para as famílias cristãs

Núcleos de Oração nos Lares - Um benção de Deus para as famílias cristãs
O lar cristão é aquele em que reina o amor. Deve haver prática do amor, amor que penetre todas as relações domésticas, manifestando-se por pequeninas expressões de atenção, bondade, abnegação e gentil cortesia. Assim, foram criados os Núcleos de Oração, uma manisfestação viva e verdadeira desse amor em nosso Senhor Jesus Cristo. Os Núcleos de Oração são uma benção do Senhor nosso Deus para todas as famílias da Primeira Igreja Batista em Albano Franco. É um momento único, onde todos os amados irmãos, se reunem para louvar ao Senhor na localidade próxima ao seu lar.
Todas as Quinta-feira às 20h.

Confira quais sãos os Núcleos de Oração:

- Lar dos Diáconos Leonardo e Elienai
Rua 147, N.º 12 - Conj. Albano Franco

- Lar do Diácono Pedro
Av. Coletora C, N.º 1783 - Conj. Albano Franco

Compareça em nome de Jesus!

A Palavra do Senhor

Manifesto Batista contra o Projeto de Lei PL-122/2006

Manifesto à Nação Brasileira Domingo, 20 de Maio de 2007 Sobre a Liberdade de Expressão e Orientação Sexual do Povo Brasileiro Diante da tramitação no Senado Federal do Projeto de Lei Complementar nº 122/2006, aprovado pela Câmara dos Deputados (PL 5003/2001), que pretende punir como crime qualquer tipo de reprovação ao homossexualismo, a Convenção Batista Brasileira manifesta a sua preocupação com o futuro da sociedade brasileira, caso a lei venha a ser aprovada. Preocupa ao povo batista a aprovação de uma lei que privilegia uma minoria, em detrimento do direito de todos. Reconhecemos o direito dos homossexuais a um tratamento digno e igualitário, ao mesmo tempo em que defendemos a liberdade fundamental de formar e exprimir juízos, favoráveis ou desfavoráveis, nas questões de orientação sexual. Entendem os batistas que a aprovação do referido Projeto de Lei pode resultar no aumento da subversão de valores morais e espirituais que destroem a família e enfraquecem a nação brasileira. Por isto, decidimos vir a público reafirmar nossas posições bíblicas e históricas sobre os princípios e os valores que sustentam a liberdade de consciência, as religiões e a vida em sociedade. 1- Cremos que todos têm direito, outorgado por Deus, de ser reconhecidos e aceitos como indivíduos, sem distinção de raça, cor, credo ou cultura; de ser parte digna e respeitada da comunidade; de ter a plena oportunidade de alcançar o seu potencial. Todas as pessoas foram criadas à imagem de Deus, razão porque merecem respeito, consideração, valor e dignidade. 2- Cremos no direito à liberdade de consciência e de expressão religiosa. Cada pessoa é plenamente livre perante Deus, em todas as questões de consciência e tem o direito de abraçar ou rejeitar religião, bem como de testemunhar sua fé religiosa, propagar e ensinar a verdade como a entenda, e até de mudar sua crença, sempre respeitando os direitos e as convicções dos outros. 3- Cremos que cada pessoa é preciosa, insubstituível e moralmente responsável perante Deus e o próximo. Cremos no direito à liberdade de escolha e aprovação dos princípios e dos valores que regem a convivência e a conduta, na família e na sociedade. 4- Cremos que Deus criou o ser humano, macho e fêmea, com direitos iguais e diferenças sexuais. Essas diferenças se baseiam na constituição física, na forma de ser, de perceber o mundo, de reagir e de relacionar-se. Deus criou macho e fêmea, para que se completem e cooperem com ele na criação e na formação da humanidade. Uma vez que, não podendo nos calar diante do alto risco de degradação social e do surgimento de perseguição religiosa motivada por aqueles que se sentirem discriminados: 1- Conclamamos os representantes do povo no Senado e nas demais instâncias da República, cidadãos e líderes de instituições sociais e religiosas, bem como os pais e formadores de opinião a que se unam para defender o respeito à pessoa e a garantia dos direitos individuais, lutando a favor de uma sociedade na qual prevaleça a dignidade de todos. 2- Conclamamos todos os cristãos a proclamar e ensinar toda a verdade, conforme revelada nas Sagradas Escrituras, inclusive as orientações nelas contidas sobre a natureza da sexualidade humana. Não podemos negar que Deus Criador, o Senhor dos senhores, justo Juiz de toda a terra, condena o homossexualismo, conquanto ame os que o praticam, oferecendo-lhes o perdão e a graça que restauram a dignidade humana. 3- Conclamamos todos os cidadãos a cultivar uma convivência pacífica e respeito ao próximo, mantendo a respeitabilidade e o pudor nas relações sociais. Reconhecemos que ninguém tem o direito de coibir a escolha sexual de quem quer que seja. No entanto, essa norma não pode impedir que qualquer cidadão tenha o direito de considerar impróprio e inconveniente ou de qualificar como imoral ou inaceitável o comportamento homossexual. A aprovação de uma lei não pode ferir as conquistas adquiridas na Declaração Universal dos Direitos Humanos, que afirma em seu artigo XIX: “Toda pessoa tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras”. Conscientes do exercício da nossa cidadania, faremos tudo o que for possível e justo, a fim de que construamos uma sociedade cada vez mais firmada nos valores éticos, morais e espirituais inspirados nas Sagradas Escrituras. Assim sendo, unimos-nos aos demais esforços para salvar o Brasil da degradação moral e da perseguição religiosa, bem como deixarmos um legado de justiça, paz e prosperidade para as futuras gerações. Rio de Janeiro, maio de 2007

Assim é a historia desse lugar que chamamos casa de adoração. Foi edificada essa casa de adoração no dia 13 de janeiro de 2002, em celebração e oficialização de um Culto de Congregação a esta, do Deus Altíssimo. Esta agência anunciadora do verdadeiro evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré, começou com chamada de adoração pelo Grupo de Louvor Geração Eleita da IBOD, logo após uma oração feita pela Irmã Marlene da IBOD. Logo após uma palavra do Pastor Presidente da IBOD Gilton Alves de Aquino, teve uma leitura bíblica em Provérbios 19:21. Após o Culto de Congregação e Oficialização, a Congregação deu continuidade com a família de 4 pessoas, na época o Seminarista Valdir, com sua esposa Valneide e seus filhos Valdiclay e Viviane. Apartir dali o Espírito Santo foi trazendo as famílias para fazerem parte da missão nesta Igreja. Através da Pregação da Palavra, Evangelismo, Oração e Testemunho, Deus foi salvando vidas e fixando seus pilares para que esta sua obra hoje tenha como membros batizados 95 pessoas. Somos felizes por termos a certeza que foi o Senhor dos Exércitos que escolheu e santificou este lugar e seu nome estará aqui para sempre.

Ele Vem - Jackson Frazão

Missões 2008 - Que marcas sua Missão deixará no mundo?

Missões? Eis-me aqui, Eu VOU!!!

O ARREBATAMENTO (Narrado em Português)

terça-feira, 14 de abril de 2009

Estudos sobre o Apocalipse – Estudo 3


Por: Adélio Silva - Congregação Batista no Conj. Medici


Assunto: Capítulo 1


Introdução ao capítulo 1


O fato do livro de Apocalipse ser uma Revelação, deixa claro que o seu conteúdo estaria sendo disponibilizado para o entendimento dos leitores, principalmente transmitindo uma mensagem de conforto para tempos críticos como os que estavam vivendo a Igreja perseguida. Envolve também excelente função didática, pois aponta para pontos positivos e negativos da vivência da Igreja, quer seja a Igreja nascente ou a vindoura, ditando rumos que necessitariam ser corrigidos como também expondo pontos dignos de elogios e de destaques positivos.
Não é um livro que deva ser buscando por quem,meramente, anseia satisfazer suas curiosidades quanto ao futuro. Ao invés disso, destina-se a quem prima pela vivência cristã pautada em princípios de pureza, santidade, fidelidade, dignidade. O desenrolar dos fatos, à medida em que fossem ocorrendo, tornariam evidentes as próprias visões entregues ao vidente João pelo Senhor e Salvador Jesus Cristo.
Para os leitores crentes, perseguidos pelo cruel imperador Domiciano ou quem quer que o sucedeu, a mensagem foi inteiramente entendida, visto que reconfortante. Para a Igreja que vive hoje ou viverá a Grande Tribulação, desempenhará igual papel.
O Livro de Apocalipse, segundo suas próprias repetidas informações, é o único na Bíblia que envolve uma promessa específica de bênçãos para aqueles que o lerem ou ouvirem (Apoc 1:3). Se temos ao nosso dispor uma revelação, é necessário que ela deva ser lida, estudada com cuidado, ensinada, compreendida.


A figura central do Apocalipse: CRISTO


Testemunha fiel (1:5) – Primogênito dos mortos (1:5 e 2:10,11) – Quem ama nossas almas e fez expiação ( 1:5) – Glorificado e ressurreto Filho de Deus, que tem as chaves dos céus e do inferno (1:18) – Governante da Igreja( 1:12) – Instrutor da Igreja (cap 2 e 3) – Senhor dos céus (apoc 4) - Quem revela as coisas futuras (Apoc 5) – Juiz da terra e o purificador de sua Igreja (Apoc 6-19) - Quem governará e julgará ( 19:11) – Rei dos Reis e Senhor dos senhores ( 19:16) 0 Quem julgará Satanás e todos os ímpios ( cap 20) – Noivo e Senhor dceleste ( 21-22) - Cordeiro (5:6,8,12,13; 6:1; 7:9; 12:11; 13:8....)
Resumo do capítulo 1. Introdução - (1:1-3); 2. Saudação (1:4-8); 3. Lugar de origem dos escritos (1:9-20)
Exegese do capítulo 1 –

1:1-3 - Introdução


1:1 - Revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e, enviando-as pelo seu anjo, as notificou a seu servo João;
....Revelação...Esta palavra, no grego é “ apokalupsis”, ou seja, “revelação”, desvendamento. Aplicada à escatologia, aponta para um desvendamento de segredos daquilo que ocorrerá nos últimos dias. Tal revelação foi dada a João, o vidente, por meio de visões e experiências místicas. A palavra, no grego, é composta pela combinação “apo” (da parte de) e de ”kalupto” (encobrir), significando assim “o desvendamento de alguma coisa”.
”...de Jesus Cristo...” Podendo significar, segundo Champlin: a) A revelação foi dada por Jesus Cristo; b) A revelação é da pessoa de Jesus Cristo; c) a revelação envolve sua volta para breve, sendo este o fundamento principal dos acontecimentos preditos no livro; d) Cristo é a fonte e a origem das revelações de Deus aos homens ; e) Abrange coisas(julgamentos) que sucederão brevemente, com sua “parousia” ou segunda vinda.
“...Jesus..” Esta palavra é uma tradução do nome habraico Jehoshua (ou ainda Josué ou Jesua) significando “ajuda de Yahweh”, ou “Salvador. É uma referência ao lado humano do Filho de Deus e da salvação que através dele vem.

“...Cristo...”Significa Ungido de Deus ou Messias.
“...que Deus lhe deu...” Deus, manifestado como Pai, é a verdadeira origem da Revelação. Cristo é o Mediador. A Deus o Pai pertencem os tempos e as épocas (At 1:7; Mc 13:32).
“...para mostrar...” Mostrar para que os homens possam compreender a mensagem da revelação e a realidade do poder de Cristo.
“...servos...” No grego é “doulos”. “escravo”. Refere-se aos crentes dedicados a Deus e seu Cristo . Um escravo pertence ao seu Senhor. Nesse caso, refere-se aos servos “ministros” ou “autoridades” da Igreja responsáveis pela transmissão a outros das revelações recebidas. Mas, por extensão, todos os crentes aqui são considerados como servos.
“...breve..” Era crença que Cristo voltaria já naqueles dias. O próprio João deixou claro em Apc 22:20 “...certamente venho sem demora..” O vidente João ou outro qualquer seguidor primitivo de Cristo não esperava que a história da Igreja se prolongasse tanto. A realidade das visões dadas a João foram tão vívidas, que ele pensou já estar vivendo naqueles dias, dando-lhe um caráter de urgência. As Cartas de Paulo aos Tessalonicenses objetivaram corrigir idéias errôneas sobre a urgência da segunda vinda de Cristo.
“...anjo...” Um mensageiro de Deus especialmente mandado para entregar o recado a João.
“...notificou ao seu servo João...” Privilégio de ser o homem designado para transmitir a mensagem das revelações. Os mistérios são revelados aos mansos, aos puros de coração”.
1:2 – o qual testificou da palavra de Deus, e do testemunho de Jesus Cristo, de tudo quanto viu.
“...o qual atestou...” João, o vidente é visto como o instrumento humano usado para testemunhar a profecia que passaria a ser exposta. Profecia urgente, verdadeira e real. Em Apoc 22:8 e reafirma “”Eu, João, sou quem ouviu e viu estas coisas...”
“....palavra de Deus...” Não deve ser entendido como sendo as “ Escrituras” do Velho Testamento, nem como “evangelho”. Esta expressão indica “a palavra desta profecia”, isto é, o livro que passaria a ser revelado.
“...testemunho ...” Um sentido mais apropriado é que Cristo é o Testemunho daquilo que possa ser escrito e o tema central do livro. Ainda, a revelação inteira de Deus, agora sendo confirmada por Cristo em toda a sua extensão.
1:3 – Bem-aventurado aquele que lê e bem-aventurados os que ouvem as palavras desta profecia e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo.
“...bem-aventurado...” Do grego “makarios”, significando, basicamente “felicidade física e boa sorte”. Este estado de felicidade é concedido pela ação do evangelho na natureza humana, que vai sendo transformada gradualmente. Este bem-estar é prometido a todos os que não negligenciarem os ensinos contidos no livro revelado, estando familiarizados com a vontade de Cristo, que é o Primeiro e o Último. Existem outras bem-aventuranças que serão comentadas no decurso do estudo (14:13; 16:15; 19:9; 20:6; 22:7).
Saudação: 1:4-8
1:4 – João, às sete igrejas que estão na Ásia: Graça e paz da parte daquele que é, que era,e que há de vir, e da dos sete espíritos que estão diante do trono;
“...João...” O autor mais provável do livro é João, o vidente, conforme já destacado na parte de autoria.
“...às sete igrejas da Ásia...” Opina o autor Dennis Allan e com ele concorda Champlin: “ Nos capítulos 2 e 3, encontramos cartas endereçadas aos anjos de sete igrejas na Ásia. Tudo indica que eram igrejas reais que existiam naquela época, mas não eram as únicas igrejas na Ásia no primeiro século. Existiam igrejas em outros lugares na Ásia Meno r(atual Turquia): Trôade (Atos 20:5-7), Colossos (Colossenses 1:1), Hierápolis (Colossenses 4:13). Jesus escolheu sete igrejas, talvez como um número completo e simbólico, que representam as caracterísitcas das igrejas da região. Se o livro for levado de uma outra igreja na ordem das cartas, a viagem seguiria assim (distâncias aproximadas): Partindo de Éfeso, indo 65 km ao norte, chegaria a Esmirna, e seguindo mais 95 km estaria no ponto mais ao norte do circuito, Pérgamo. Daí, seguiria a estrada ao sudeste, passando em Tiatira (70 km de Pérgamo) e continuando mais 50 km até Sardes. Seguindo mais 43 km ao sudeste, estaria em Filadélfia. Aproximadamente a 75 km de Filadélfia, chegaria a Laodicéia, a qual ficava numa rota comercial que voltava para Éfeso, onde esta viagem começou”.
Uma interpretação mais vasta nos permite afirmar que, dentro de uma visão histórica, considerando-se a simbologia do número sete, tais igrejas representam também:
a) igreja universal; b) proféticamente, sete estágios da história da igreja cristã até ao tempo da segunda vinda de Cristo;
c) suas condições espirituais das igrejas cristãs em qualquer época da história(interpretação profética):
I- Éfeso (era apostólica)
II – Esmirna (era de perseguições até 316)
III – Pérgamo (era do favor imperial, 316-500)
IV – Tiatira (era da escuridão espiritual, 500-1500)
V – Sardes( tempo da Reforma - 1500-1700)
VI – Filadélfia ( era das missões modernas – 1700-1900)
VII – Laodicéia (era da igreja apóstata - 1900.....)
“...graça e paz...” Uso comum de saudação nas cartas de São Paulo. Cristo nos instruiu a vivermos plenamente a paz que ele oferece.
“...da parte daquele que é, era e que há de vir....” Russel comenta apropriadamente: “ isso se afasta radicalmente das saudações paulinas. Nelas a graça e a paz são atribuídas a Deus Pai, e ao Senhor Jesus Cristo. Aqui, são atribuídas a Deus Pai, o Alfa e o Ômega de toda a criação, eterno, pois ele sempre foi vivo, porquanto “é” e “será” e também são atribuídas ao Filho, nosso Senhor”. Acrescenta mais: “ ...os leitores originais viviam uma época em que os súditos romanos deveriam adorar ao imperador; em caso contrário, eram acusados de traição”.
“...que é...” Refere-se a Deut 32:39 “Eu sou aquele que é, que era e que será; e não há outro Deus além de mim”. É uma extensão das qualificações de Jeová, aplicáveis a Jesus Cristo, o Filho ( Hb 7:3). Cristo é a imagem de Deus ( Col 1:15). Ele é o Conquistador da morte, ou seja, o doador da vida eterna (João 5:25,26).
“...que era...” A eternidade passada de Cristo, que é, como exposto em João 1:1-2 , tão eterno quanto o Pai. A trindade possui atributos associados ao Pai, Filho e Espírito Santo: “eram”, “são” e “serão”.
“...que há de vir...” Isto é, a eternidade futura, estabelecida quando da segunda vinda de Cristo quando sua glória será retratada diante de todos os homens .
“...da parte dos sete Espíritos...” Possíveis idéias: a) Seriam anjos, chamados de “poderes cósmicos”, sujeitos ao controle e ordens de Cristo; b) Seria uma referência às qualificações que compõem o Espírito de Deus, contidas e referenciadas em Isaías 11:2; c) Seria uma ordem “diferente” de criaturas celestiais, diferentes dos arcanjos, presentes na visão em Apoc 4:4-6; d)Ainda outros argumentam que seria uma alusão mística simbólica à pessoa de Cristo, sem se considerar quaisquer seres literais; e) É porém bem mais possível crer que João quis indicar que todos os poderes celestes ( o número sete significando totalidade) estão sob o controle e a autoridade de Cristo .
“...diante do seu trono...” Nas mais elevadas posições celestes, significando sua autoridade e glória.
1:5 e da parte de Jesus Cristo, que é fiel testemunha, o primogênito dos mortos e o Príncipe dos reis da terra. Aquele que nos ama, e pelo seu sangue nos libertou dos nossos pecados.
“...Jesus...” O Salvador ( Mt 1:21). Somos salvos dos pecados e seus efeitos mais danosos ; salvos da destruição, isto é, da não salvação ou ausência de filiação a Deus.
“...Cristo...” Uma combinação das naturezas divina e humana . Nossa filiação a ele nos permite também participar de sua natureza divina (Mt 1:16; Mc 1:1; I João 4:3)
“...testemunha fiel...” Transmite fielmente a sua mensagem, falando a verdade, revelando a verdade, sem jamais desviar-se de seu propósito. Revela fielmente as coisas que haveriam de acontecer .
“...primogênito dos mortos...” O texto de Col 1:18 confirma esta qualificação de Cristo. Como homem Cristo foi ressuscitado pelo Espírito Santo, sendo o primeiro homem a participar da forma de vida divina. Sendo o primogênito, foi o primeiro de toda de uma raça de regenerados. A lição, para a igreja perseguida, era para que fosse fiel até a morte, e, como recompensa a coroa da vida.
“...soberano(Príncipe) dos reis da terra...” Cristo é o Senhor sobre todos os reis da terra. Os cristãos perseguidos eram forçados a cultuarem o imperador. Cristo ressuscitado, passou a ocupar uma posição superior aos imperadores romanos, tanto em glória como em poder ( Fil 2:9-11).
“...nos ama e pelo seu sangue nos libertou dos nossos pecados...” Cristo exerceu uma missão salvadora.
“...pelo seu sangue...” Comenta Russel C: “ a) Interpretando literalmente - Os povos antigos pensavam que o sangue da vítima ficava automaticamente carregado com o poder do deus sobre cujo altar era sacrificada . Quando esse sangue tocava em algo, transmitia o poder e a virtude de tal Deus através de meios mágicos; b) Simbolicamente, representa a morte de Cristo e seus efeitos; c) Místicamente, O sangue de Cristo, nos dando a idéia de sua morte, revela-nos que, em contato com o Espírito Santo, o valor e os efeitos da morte de Cristo tornam-se nossos. Ele purifica as nossas vidas de todo o pecado, nos dando vitória sobre atos pecaminosos.
“...libertou.,..” Éramos escravos do pecado mas agora nos temos tornado escravos da justiça.
“...dos nossos pecados...” A palavra grega usada aqui é amartia, que significa errar o alvo, mas em geral abrange todos os tipos de vícios e faltas. Pecar é afastar-se para longe do caminho da retidão, por isso erramos o alvo final .
Para as Igrejas da época (locais), a vitória da cruz de Cristo representou uma palavra de ânimo aos crentes perseguidos. Não existe fidelidade sem fé e a fé no Filho de Deus, o rei vitorioso, apesar das perseguições cruéis.
1:6 - e nos fez reino, sacerdotes para Deus, seu Pai, a ele seja a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amem.
“...nos constituiu reino...” Há referência aqui à promessa feita em Êxodo 19:6 de que seu povo, Israel, liberto da escravidão egípcia, tornar-se-ia um reino de sacerdotes, uma nação santa (teocracia). Já para o Israel espiritual, a Igreja, o sacerdócio seria no domínio celestial. Cada remido, um rei. Cada remido, um sacerdote. Dá a entender, que o Israel que surgiu com a Igreja, representará um reino de reis que também serão, cada um, sacerdotes.
“...sacerdotes...” Coletivamente, temos no Novo Israel um reino. Individualmente, seus membros são todos sacerdotes. No comentário de Russel C, é interessante a afirmativa de que, no antigo Israel, cada família possuía um sacerdote. Posteriormente, a ação sacerdotal passou a ser exercida por uma única tribo (Levi). Já nova ordem, todos os crentes se tornam sacerdotes, pois, pelo evangelho, foi garantido acesso superior a Deus .
“...Deus...” É o ser criador que existe e se faz presente na vida de sua criação , recompensando ou punindo, intervindo, se interessando pelas vidas humanas (teísmo).
“...Pai...” Como filhos de Deus recebemos todas as bênçãos espirituais, tornando-nos, no estado eterno, participantes de seus atributos ( Ef. 3:19)
“...a ele a glória e o domínio pelos séculos dos séculos....” Tudo o que se refere ao Pai, também se refere ao Filho (ler Dan 7:13,14). Os crentes da Ásia Menor e do império romano viviam em perigo constante de vida. O autor relembra, nesta expressão, que no final o poder do mal seria terminado, restando a adoração a quem pertence de fato e de direito ( I Ped 4:11; Jud 25)
“...Amém...” Assim seja, ou : é assim. Vem da palavra hebraica amen.
1:7 – Eis que vem com as nuvens, e todo o olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém.
“...vem com as nuvens...” É uma referência à segunda vinda de Cristo.Alguns pensam que se tratam de nuvens literais e outros pensam que se trata de uma figura. Dizem ainda que seriam os inúmeros exércitos celestiais composto de crentes arrebatados algum tempo antes e que descerão ao mundo juntamente com Cristo.
Opiniões à parte, a verdade é que a inspiração para o vidente foi extraída de Daniel 7:13, onde se lê: “ Eu estava olhando nas minhas visões da noite , e eis que vinha com as nuvens do céu um como Filho do homem...” Na opinião do comentarista Lange “...as nuvens são um símbolo material da presença divina, do mistério divino , parcialmente revelado e parcialmente coberto.” (Mat 24:30). Na história bíblica do VT Jeová se manifesta na nuvem brilhante, chamada pelos judeus de SHEKINAH, ou através de nuvens visíveis como no deserto do Sinai. A opinião mais possível é de que essas nuvens façam parte da glória divina, nada tendo a ver com nuvens literais ou de vapor de água.
“...todo olho o verá...” Deve ser interpretado de forma literal. Todo o mundo verá o sinal de Cristo e reconhecerá que houve intervenção divina na história.
“...até quantos o transpassaram...” Refere-se ao povo de Israel , que crucificou a Jesus Cristo (o traspassou). Ler Zac 12:10 e Mat 24:30).
1:8 – Eu sou o Alfa e o Ômega, diz o Senhor Deus, aquele que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso.
“...Eu sou o Alfa e o Ômega...” Nesta parte é Deus Pai quem fala, mas em Apoc 22:13 quem fala é Deus o Filho. É uma menção à doutrina da Triunidade divina, onde características pessoais são simultaneamente atribuídas ao Pai, Filho e Espírito Santo.
“ ...Alfa...” Primeira letra do alfabeto grego. Aplicada a Deus, indica que ele é o criador , originador de tudo. Só existe uma fonte originária da vida: Deus.
“...Ômega...” Esta é a úlltima letra do alfabeto grego . Deus é o alvo, o objetivo final de toda a criação (ver I Cor 8:6). Em Col 1:15 Cristo aparece como o Alfa e o Ômega (nele, por ele, e para ele).
“...todo-poderoso...” No VT Deus apresentou-se a Abrão como o todo-poderoso ( Gn 17:1) Se andarmos distante do mal, ele nos presenteará como Pai.No comentário de Champlin, explica-se quanto ao termo: “No original hebraico temos “El Shaddai”. A palavra hebraica “El” , isolada significa “o forte”. A raiz do vocábulo hebraico “shaddai”, ou seja “Shad”, indica o seio feminino, concluindo que Deus, o Todo-poderoso, em conseqüência de seu poder ilimitado, é o sustentador e doador de toda a necessidade , incluindo a própria vida. A autoridade absoluta está sobre Jeová. Onisciente e soberano sobre tudo e todos, no final triunfará, a despeito da aparente força do imperador Domiciano .Como Todo-Poderoso, a vontade de Deus finalmente se imporá sobre o mal, em todas as suas expressões , sendo uma maneira de abençoar ilimitadamente a quantos a ele se submeterem. Ele é Onipotente e não há limite para o seu poder.
“...que é, que era e que há de vir...” No comentário do versículo 4, estas palavras são atribuídas referindo-se a Deus Pai.
Fontes de pesquisas:
Bíblia Sagrada e outras já mencionadas nos estudos anteriores. Usamos, como material de apoio mais incidente, o Comentário Novo Testamento Interpretado, de Russel Norman Champlin, pela sua abrangência e profundidade.

Fazendo Cristo conhecido

Fazendo Cristo conhecido
O evangelismo é um trabalho para todos os Cristãos em todo o mundo. A Bíblia diz em Mateus 28:19-20 “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.” Compartilhar Jesus Cristo com outros deve ser parte do nosso estilo de vida. A Bíblia diz em Colossenses 1:26-29 “O mistério que esteve oculto dos séculos, e das gerações; mas agora foi manifesto aos seus santos, a quem Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo em vós, a esperança da glória; o qual nós anunciamos, admoestando a todo homem, e ensinando a todo homem em toda a sabedoria, para que apresentemos todo homem perfeito em Cristo; para isso também trabalho, lutando segundo a sua eficácia, que opera em mim poderosamente.” As Boas Novas devem ser pregadas em toda a parte antes de Jesus voltar. A Bíblia diz em Mateus 24:14 “E este evangelho do reino será pregado no mundo inteiro, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim.” Aqui no Albano Franco não é diferente, temos aqui em nossa Igreja um grupo de evangelizadores, sobre a liderança do irmão Diac. Paulo, que tem levado a palavra do Senhor a todos aqueles que ainda não a conheceram. Não precisa ser sofisticado, ou ter muitos diplomas para compartilhar Jesus Cristo com outros. A Bíblia diz em 1 Coríntios 2:1-5 “E eu, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não fui com sublimidade de palavras ou de sabedoria. Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado. E eu estive convosco em fraqueza, e em temor, e em grande tremor. A minha linguagem e a minha pregação não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria, mas em demonstração do Espírito de poder; para que a vossa fé não se apoiasse na sabedoria dos homens, mas no poder de Deus.” Deus nos chama a ser representantes de Jesus. A Bíblia diz em 2 Coríntios 5:20 “De sorte que somos embaixadores por Cristo, como se Deus por nós vos exortasse. Rogamo-vos, pois, por Cristo que vos reconcilieis com Deus.” Evangelismo é falar sobre Cristo, mas é também ser um modelo da verdade. A Bíblia diz em Marcos 16:15 “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura.” . A Bíblia diz em João 13:35 “Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros.” Evangelismo é mais que pregar e dar testemunho. A Bíblia diz em Isaías 61:1 “O Espírito do Senhor Deus está sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar boas-novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos.”

Boas Novas

Missões Mundiais